aliviar a dor de dente



Resumo escrito por:dridripinto
Quem teve dores de dentes, sabe que é um dos tipos de dores mais difíceis de suportar.
Até consultarmos um estomatologista, ou dentista como é mais vulgarmente conhecido, podemos acalmar ou até cessar a dor de dentes com algumas dicas.

Quando temos dores de dentes, parece que qualquer acção que tomemos, agrava a dor de dentes – quando rimos, comemos, bebemos; quando movimentamos a cabeça e até quando inspiramos e fazemos com que o ar frio vá para o dente.
A dor de dentes pode ser causada pela polpa do dente ou pela gengiva infectada, por estar com cáries, por um pedaço de comida entre dois dentes ou até uma dor causada por uma sinusite.
De seguida, descrevo algumas dicas que qualquer pessoa pode experimentar para tentar se livrar da dor de dentes, sem nunca esquecer de consultar um dentista posteriormente:

Se tiver com problemas nas gengivas, poderá consultar as nossas Dicas para tratar problemas nas gengivas.

Lavar os dentes:

Uma lavagem vigorosa dos dentes, com a água à mesma temperatura do nosso corpo, pode eliminar a dor de dentes, se esta for causada por um pedaço de comida que esteja alojada entre os mesmos.

Usar fio dentífrico:

Passar suavemente um fio dentífrico entre todos os dentes, especialmente naqueles que estiverem com dor pode resolver o problema, caso existam restos de alimentos entre os dentes. Ter atenção de não usar demasiada força para evitar o ferir das gengivas.

Lavar com água salgada:

Quanto a mim, é uma das melhores dicas. Num copo de água morna, juntar uma colher de sopa de sal grosso. De seguida, fazer sucessivos bochechos, depois de todas as refeições e em especial, antes de deitar.

Adormecer as dores:

Bochechar a boca com um pouco de uísque irá adormecer a dor nos dentes. Bochechar durante algum tempo e no final da operação, deitar fora o bochecho.

Massajar a zona dorida e passar gelo:

Fazer uma pequena massagem na zona dorida faz passar a dor de dentes na maior parte dos casos.
Pegue num cubo de gelo e faça-o deslizar sobre a zona do dentes, durante 4 ou 5 minutos.

Não usar o dente para mastigar:

Evitar usar o dente dorido para comer, é algo a ter em conta.

Aplicar óleo de cravinho:

Este antigo remédio pode fornecer um rápido alívio na dor de dentes. Colocar uma gota sobre o dente que tem dor, ou então colocar um pouco deste óleo sobre uma cotonete e fazer passar sobre o dente. O óleo de cravinho é vendido em qualquer farmácia.

Tentar não abrir a boca:

Se sentir que o ar frio agrava a dor de dentes, tente manter a boca fechada.

Tomar aspirina:

Tomar um comprimido de 4 em 4 horas ou de 6 em 6 horas, conforme a gravidade da dor. NUNCA colocar a aspirina sobre o dente, como algumas pessoas poderão aconselhar, já que esta poderá provocar uma queimadura por aspirina.

Manter a parte de fora da boca fresca:

Além dos bochechos que poderá fazer com água morna, na parte de fora da boca aconselha-se que esteja o mais fresca possível. Colocar gelo enrolado num pano, sobre a parte de fora da boca, na zona da dor nos dentes, pode causar alívio imediato.

Se sente dor no dente, apenas quando faz aproximar calor ou frio junto do mesmo, tratar-se de um problema de sensibilidade. Isto sucede quando a dentina fica exposta sob o esmalte do dente, normalmente na orla da gengiva. Este problema pode ser causado pela idade, por cirurgias recentes, por escovar os dentes com demasiada pressão ou até por pastas dentífricas de pouca qualidade.

Recomenda-se o uso de pastas de dentes indicadas para a sensibilidade dentária, como a Sensodyne por exemplo.
A escova de dentes deve ser macia e é imprescindível o uso de fio dentário para a limpeza regular entre os dentes.
Consultar de 6 em 6 ou no máximo de 12 em 12 meses um médico dentista.
Dicas para aliviar as dores de dente Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/dentistry-oral-medicine/2025704-dicas-para-aliviar-dores-dente/


O Estudo da Dor


Resumo escrito por:alexandrafernandes
Ninguém gosta de sentir dor e é natural que tentemos evitá-la. Mas a velha vilã tem o seu lado positivo: ela é um alarme que nos adverte sobre ameaças a nossa integridade. Suprimí-la indiscriminadamente com analgésicos, pode fazer mais mal do que bem. Na ânsia de se livrar a qualquer custo da sensação dolorosa, mediante o uso de analgésicos, relaxantes musculares, anti-inflamatórios e outros medicamentos, as pessoas podem estar se privando de seu sinalizador mais perfeito. Um alarme precioso que a natureza instalou no organismo para soar a cada ameaça de dano ou desequilíbrio. “A dor é biologicamente necessária”, ela nos protege advertindo-nos quando ultrapassamos nossos limites e corremos riscos de prejuízos. A dor é um alerta que algo está errado e precisa ser corrigido, afirma o médico Alexandros Botsaris, acumpunturista e consultor da Natura de Inovação e Tecnologia. A quem diga que a própria manifestação da vida não seria possível sem a dor. Em suas múltiplas facetas, ela seria um dos pilares de auto-preservação dos seres vivos, compondo com o prazer os extremos de um movimento pendular que afasta o homem de tudo que tende a destruí-lo e o aproxima de tudo que lhe proporciona bem-estar e crescimento (a dor e o prazer estão atados pelos pés). O equilíbrio, seria rompido quando, no esforço de banir qualquer dor bombardeamos os mecanismos de sensibilidade com drogas de efeito cada vez mais potente e duradouro. Esta atitude pode trazer mais prejuízos do que a convivência com a dor por algum tempo, enquanto ela é atacada na raiz. É que as drogas são eficazes na supressão da dor, mas deixam intactas suas causas que continuarão a produzir novas conseqüências e outras dores, passado o efeito sedativo. “Dor é o que o paciente diz sentir”, afirma o anestesiologista Onofre Alves Neto, PhD em Medicina e Diretor científico da Sociedade Brasileira Para o Estudo da Dor (2003). “É uma experiência única com uma importante dimensão psicológica, detalhe que impede que seja medida de maneira objetiva”. Seu tratamento convencional, segundo Onofre segue uma escala recomendada pela OMS (Organização Mundial de Saúde).
Começa com analgésicos simples (anti-inflamatórios não hormonais tipo aspirina) e vai subindo de complexidade e poder de fogo sob tecidos e células do sistema nervoso a medida que a sensação desagradável resiste. Se a aspirina não resolve, passa-se então para os chamados opióides, substâncias sintéticas ou não de ação semelhante ao ópio. Nesta fase entram em cena os remédios à base de Codeína e Tramadol (opióides fracos), e se necessário opióides potentes cujo agente emblemático é a Morfina. Em casos de dores crônicas são usados anti-depressivos e anti-convulsivantes, drogas destinadas originalmente ao tratamento de Depressão e Epilepsia. Quando nada dá certo o médico pode recomendar algo mais radical: cirurgias em que as vias que transmitem a informação da dor ao cérebro são cortadas. Esse conjunto de recursos provavelmente é suficiente para sufocar os tipos mais comuns de dor e aliviar aqueles relacionados a quadros graves como o câncer e fibromialgia (moléstia que causa dor em todo o corpo). O abuso de analgésicos está levando a algumas conseqüências, por exemplo cefaléia crônica diária: uma dor de cabeça capaz de infernizar. Com o uso contínuo de químicos o cérebro passa a não produzir endorfinas, um analgésico natural, transformando a dor de cabeça numa manifestação recorrente e intensa. A dor também exibe dimensão emocional, o elemento principal do sofrimento que não raro funciona como um círculo de causa e efeito. No homem comum, o medo de conviver com a dor já pode ser um fator decisivo na sua percepção dolorosa.
O Estudo da Dor Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/humanities/1699224-estudo-da-dor/
MENINO QUE NÃO SENTE DOR TESTA SUPER-ANALGÉSICOS

Resumo escrito por:Jerson Aranha
MENINO QUE NÃO SENTE DOR TESTA SUPER-ANALGÉSICOS. Pesquisadores da Universidade de Cambridge, a aproximadamente 80 quilômetros de Londres, na Inglaterra, estudaram três famílias paquistanesas que tinham uma anomalia genética que não as permitia sentir qualquer tipo de dor. Agora, a Pfizer tentará criar uma droga com base no resultado surpreendente destes estudos. Tudo começou, quando cientistas da cidade Lahore, no Punjabe paquistanês, viram um menino que se exibia nas ruas da cidade atravessando facas em seus braços e andando sobre carvão em brasa. Contudo, o menino morreu antes de ser examinado pelos estudiosos, no dia de seu 14º aniversário, após pular do telhado de uma casa. Por meio desta criança, a equipe de paquistaneses localizou membros de sua família - e de outras duas do mesmo clã - que também tinham a mutação genética. "Seis indivíduos afetados nunca sentiram dor em nenhum momento, em nenhuma parte do corpo", afirmou Geoff Woods, líder do estudo, na última edição da revista "Nature". Testes genéticos indicaram que o gene chamado SCN9A era o responsável pela mutação, que agora possibilitará a pesquisa de analgésicos mais potentes e eficazes. PRIMÓRDIOS DA ANALGESIA - As primeiras tentativas de alívio da dor foram feitas com métodos puramente físicos como pressão e gelo, bem como, uso de hipnose, ingestão de álcool e preparados botânicos. Por volta dos séculos IX a XII a esponja soporífera tornou-se um dos métodos mais populares de prover analgesia. Preparada a base de mandrágora e outras ervas, tinha como seus principais princípios ativos morfina e escopolamina.
MENINO QUE NÃO SENTE DOR TESTA SUPER-ANALGÉSICOS Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/1725846-menino-que-n%C3%A3o-sente-dor/

Anestesia no consultório do dentista


Resumo escrito por:Dragoness
Esta é uma matéria que peguei de uma edição antiga do Jornal da Ugapoci (edição 56, pág. 13), e que traz esclarecimentos sobre anestesia para procedimentos odontológicos. Provavelmente essas informações já estão um pouco ultrapassadas, mas achei interessante postar aqui mesmo assim pois pode ser útil para alguém. Então vamos lá!
"ANESTESIA
- O que é anestesia?
É o ato de suprimir os estímulos dolorosos através de um medicamento anestésico.

- Qualquer pessoa pode tomar anestesia?


Antes disso, a pessoa deve responder a um breve questionário de saúde, padronizado pela ASA (Sociedade Americana de Anestesiologia), que determina o risco anestésico e cirúrgico. Com base em suas respostas, o profissional terá condições de informar se ela está apta a submeter-se a tratamento odontológico com anestesia. Mas, para seu conforto, já lhe adianto que esse procedimento é muito seguro e que a variedade de medicamentos disponíveis proporciona muita segurança.
- Existe contra-indicação? Sim, e elas podem estar relacionadas ao agente anestésico ou ao vasoconstritor. Com relação ao vasoconstritor, os pacientes com pressão alta não tratada ou não controlada, hipertireoidismo, feocromocitoma, sensibilidade aos adultos e usuários de antidepressivos triciclos, compostos fenotiazínicos, cocaína e "crack", têm limitações no uso de anestésicos.

- Uma pessoa com 70 anos também pode tomar anestesia?


Com o passar da idade, muitas alterações podem aparecer, as quais podem contra-indicar ou não o procedimento. Como foi explicado no item acima, se o paciente apresentar algumas dessas alterações, o uso do anestésico pode estar temporariamente contra-indicado. Nesse caso, ele é encaminhado ao profissional médico habilitado, e após a sua liberação, o procedimento de anestesia é realizado.

- Gestantes podem tomar anestesia?


Sim, o estado de gravidez não contra-indica o procedimento anestésico. Porém, se for possível, é mais aconselhável o uso de anestesia entre o terceiro e o sexto mês de gestação.

- Quais são os tipos de anestesia?


De uma maneira bem abrangente, a anestesia pode ser local ou geral. A anestesia local é administrada pelo cirurgião-dentista do próprio consultório. A geral deve ser feita pelo médico anestesista em hospital ou clínicas apropriadas.
- O que é sedação consciente? É um procedimento realizado pelo cirurgião-dentista e pelo médico anestesista, a fim de proporcionar maior conforto ao paciente, em casos de pacientes ansiosos ou com medo de ir ao dentista. Esse procedimento é realizado combinando-se a ação do anestesista (através de medicamentos relaxantes) com a do cirurgião-dentista (por meio de anestésicos locais), proporcionando conforto e eficiência anestésica em grandes procedimentos ambulatoriais.

- Por que, às vezes, a anestesia demora mais para passar? 


Provavelmente devido ao tipo de tratamento realizado. O profissional irá escolher o tipo de técnica, a quantidade e o medicamento. Nesse caso, quando o procedimento é simples, geralmente a anestesia passa rapidamente, ao contrário do que acontece em procedimentos longos, nos quais o profissional necessita de maior quantidade de anestésico.

- Qual é a quantidade máxima de anestésico que se pode tomar?


Geralmente, os medicamentos são feitos para, em média, serem administrados 10 tubetes de anestésico em dose de segurança. Deve-se lembrar que o medicamento é composto pelo agente anestésico e pelo vasoconstritor. Em alguns casos em que está contra-indicado ou restrito o uso do vasoconstritor, a quantidade deve ser diminuída.

- Como eu posso tomar uma anestesia sem dor? 


Quando se pensa em anestesia, a primeira lembrança é o desconforto devido à picada da agulha, mas isso não mais ocorre. Hoje, com os cuidados pré-anestésicos que envolvem desde a utilização de medicamentos tranqüilizantes até o uso de anestésicos tópicos fortes, o incômodo do procedimento de anestesia diminuiu muito, chegando a não ser notado, dependendo da relação de confiança entre o paciente e o profissional.

- Existe algum aparelho que aplique a anestesia para proporcionar conforto?


Sim. O conforto durante a anestesia é estabelecido quando uma pequena quantidade de anestésico é injetada continuamente por um maior período de tempo. Um aparelho dotado de microprocessador pode injetar a anestesia de forma lenta e contínua, diminuindo o desconforto do procedimento de anestesia.
Colaboração do dr. Valdo Guimarães Rodrigues
Orientações sugeridas por José Scarso Filho, Professor de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial da Faculdade de Odontologia de Araraquara - UNESP.
Fonte: Revista da APCD V.54, nº 3 Mai/Jun.2000"
-
Anestesia no consultório do dentista Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/dentistry-oral-medicine/1902136-anestesia-consult%C3%B3rio-dentista/

A gravidez afeta a saúde dos dentes?


Resumo escrito por:cragazzi
Não, o dito popular “a cada gravidez se perde um dente” não é verdadeiro. Embora a piora da condição de saúde bucal seja freqüentemente observada durante a gravidez e logo após o nascimento da criança, a gravidez por si só não provoca problemas nos dentes nem nas gengivas.
As alterações hormonais que ocorrem na gravidez só aumentam os sinais de uma inflamação já existente na gengiva. Portanto, se no início da gravidez a gengiva estiver sadia e a limpeza adequada dos dentes for mantida durante este período, a gengiva não ficará inflamada. Por outro lado, pesquisas recentes mostram que gestantes com um tipo de doença de gengiva chamado de periodontite (além de a gengiva estar inflamada também o osso que suporta o dente é reabsorvido) têm maior chance de dar à luz bebês prematuros e de baixo peso. A gravidez também não enfraquece os dentes, pois o cálcio não é retirado dos dentes da mãe pelo feto. A gestante está mais sujeita a ter cáries porque come com mais freqüência, geralmente dando preferência a alimentos que contêm açúcar, como bolachas e doces (mais açúcar para as bactérias produzirem cáries). Além disso, descuida da limpeza dos dentes (acumulando mais bactérias da cárie).
A futura mãe deve aproveitar este período para desenvolver novos hábitos de alimentação, evitando alimentos açucarados, o que só trará benefícios, como a diminuição do risco de ter cáries e o controle de peso. O açúcar natural dos alimentos é suficiente para suprir as necessidades da gestante e as do bebê. Além disso, é essencial limpar diariamente os dentes com fio/fita dental e escova macia, utilizando creme dental com flúor.

Os cuidados com a saúde bucal do bebê devem começar já durante a gravidez, com o objetivo de educar para a saúde não só a futura mãe, mas toda a família. A educação para saúde é uma arma importante para o controle e prevenção das doenças que afetam os dentes. A gravidez parece ser o período mais apropriado para se iniciar este processo. Neste momento, os futuros pais e principalmente a futura mãe estão predispostos a mudanças e a grandes esforços em favor do filho que está para nascer, o que facilita a obtenção de resultados positivos, não só para a saúde geral mas também para a saúde bucal.
Com a estética, incluindo um sorriso branco e atraente, em alta, é importante lembrar que nada é mais bonito do que uma boca saudável, sem cáries e sem doenças da gengiva. Nenhum tratamento odontológico, por mais sofisticado que seja, produz resultados melhores e a menor custo do que manter a saúde bucal.

A gravidez afeta a saúde dos dentes? Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/dentistry-oral-medicine/1658513-gravidez-afeta-sa%C3%BAde-dos-dentes/
A CURA PELOS DENTES - Biocibernética Bucal - uma revolução na Saúde

Resumo escrito por:Sanmys
Biocibernética Bucal é uma revolucionária técnica terapêutica que permite a cura de inúmeras doenças, desde bronquites a doenças mentais. Objeto de estudo e pesquisa, segundo o autor já foram comprovados resultados positivos no tratamento, por ex. de bronquite e da epilepsia, sendo que na parte final do livro apresenta uma estatística com 104 pacientes e os resultados de correção de dentes e ortopedia funcional dos maxilares. A primeira parte é dedicada ao enfoque de diversos problemas relacionados com a configuração em 4 dimensões da cavidade bucal. A 4ª dimensão bucal descoberta, corresponde ao espaço vazio em que a língua exerce sue trabalho.As diferentes dimensões criam um equilibro biológico que se for rompido irá provocar distúrbios respiratórios, circulatórios e digestivos. Assim, uma cura do espaço vazio (4ª dimensão) irá corrigir problemas como bronquite, rinites, acidentes circulatórios, etc. A segunda parte faz a abordagem sistemática - A Boca e o Conjunto Biológico - apresentando trechos de palestras realizadas em diversas escolas de odontologia. A busca do conhecimento em outras áreas permitiram uma visão global do homem em sua interação sócio-cultural. Admite a falta de maior fundamentação científica laboratorial porém ressalta a importância da boca no conjunto orgânico do homem. Considera os dentes como verdadeira teclas do computador humano. A Biocibernética não é uma especialização Odontológica, mas um processo evolutivo conceitual. Faz uma análise da sequência do nascimento de cada dente e a sua função, e condena a extração dos dentes do siso - complementos da personalidade. Apresenta um estudo dos tipos de maxilar inferior com as respectivas características de personalidade diferenciadas; lembra que uma alteração dessa configuração modifica a postura do indivíduo o que nem sempre é positivo. Na terceira parte - Os Alicerces da Odontologia - Volta ao assunto do maxilar inferior (proeminente, equilibrado ou retraído) com exemplo de pessoas dinâmicas, certinhas ou retraídas. Lembra que o maxilar inferior é indispensável, pois é ele que dá equilibro ao indivíduo. Prossegue comparando tipos físicos de diferentes culturas, que segundo o autor, refletem uma conduta cultural-educacional imposta desde a infância. Isto gera um tipo de postura que pode gerar problemas de saúde e desequilíbrios funcionas - como por ex., dificuldade para engolir.A correção é possível e cita casos em que realizou com sucesso o tratamento. A postura ereta do homem - o geocentrismo - é a viga mestra defendida pela cibernética bucal. A descoberta de que a boca funciona como um estabilizador-chave do equilíbrio do sistema postural demonstra a importância da boca e dos dentes. Uma criança só começa a andar quando nascem os primeiros dentes de leite; e, quando uma pessoa perde seus dentes ou as curvas de compensação da arcada dentária, também perde muitas das possibilidades de movimento. A correção do problema restabelece o equilibro postural. Prossegue com um estudo sobre a importância da articulação crânio-facial, lembrando que a maior parte das patologia e das disfunções orgânicas tem início nela. Relaciona os sintomas e as consequências das disfunções - placa bacteriana, e cáries, por ex. Apresenta o TOP proprioceptor como solução para o problema. Nos Anexos em "A Busca de uma Simbologia Universal" fala sobre os hábitos alimentares errados, explicando que a arcada dentária humana é intermediária entre a dos carnívoros e dos herbívoros, podendo se adaptar a diferentes tipos de alimentação o que não deve ser dogmatizado.

A CURA PELOS DENTES - Biocibernética Bucal - uma revolução na Saúde Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/books/dictionary/1932653-cura-pelos-dentes-biocibern%C3%A9tica-bucal/
Cientistas japoneses fazem crescer dentes novos

Resumo escrito por:AUIEBE
Estudo publicado na "Proceedings of the National Academy of Science (PNAS)" relata o sucesso de uma técnica nova e surpreendente.

Até o momento os cientistas já conseguiam cultivar certos tecidos em laboratório para posterior transplante em animais. Mas agora um grupo de pesquisadores do Departamento de Biologia da Universidade de Ciências de Tokyo foi mais longe: eles criaram in vitro uma espécie de semente de dente e postoriormente a implantaram na mandíbula de ratos de laboratório fazendo que um dente crescesse após a perda do dente definitivo. A operação foi repetida com sucesso várias vezes, mostrando um resultado extremamente promissor.

O novo dente tem a mesma estrutura e solidez dos dentes naturais e oferecem pela primeira vez a prova da substituição em um corpo adulto de um órgão completo e que funciona perfeitamente graças ao transplante de um germe reconstituído por manipulação celular in vitro, segundo palavras de Takashi Tsuji, um dos autores do etudo.


Cientistas japoneses fazem crescer dentes novos Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/medicine-and-health/1919183-cientistas-japoneses-fazem-crescer-dentes/

ESCOVAR OS DENTES DEVE DURAR 2 MINUTOS


Resumo escrito por:Jerson Aranha
ESCOVAR OS DENTES DEVE DURAR 2 MINUTOS Lesões vermelhas ou brancas é feridas na boca que não cicatrizam em um mês são sinais de que alguma coisa vai mal com sua saúde bucal. Segundo especialistas, a falta de uma boa higiene na boca afeta milhares de brasileiros. Para se ter uma idéia,uma escovação adequada deve durar, no mínimo, dois minutos. No entanto, de acordo com especialistas, a maioria dos adultos não chega nem próximo a este tempo. Os cuidados devem começar desde cedo, após o nascimento. Com uma gase ou fralda, umedecida com água filtrada, a mãe deve limpara, utilizando seu dedo indicador, as gengivas é a língua do bebe. Em posição de amamentação, a criança não reclama. Dentistas ensinam ainda que, para uma limpeza profunda, já na fase infantil é adulta, é necessário usar uma escova macia é fio dental. Crianças, adolescentes é adultos devem escovar os dentes é a língua sempre após as refeições e antes de dormir.
ESCOVAR OS DENTES DEVE DURAR 2 MINUTOS Originalmente publicado no Shvoong: http://pt.shvoong.com/humanities/1711547-escovar-os-dentes-deve-durar/

no mais aliviar a dor de dente com água gelada e um medicamento como o cimelide receitado por um médico ou dentista na impossibilidade de ir ao dentista 

Google+ seguidores